Resenha: Destino (Ally Condie)

 Autor: Ally Condie 
 Páginas:  239
 Editora: Suma de letras
 Minha Avaliação: 3/
 Média do Skoob: 3.8/5
 Compare&Compre: aqui  
Sinopse: Cassia tem absoluta confiança nas escolhas da Sociedade. Ter o destino definido pelo sistema é um preço pequeno a se pagar por uma vida tranquila e saudável, um emprego seguro e a certeza da escolha do companheiro perfeito para se formar uma família. Ela acaba de completar 17 anos e seu grande dia chegou: o Banquete do Par, o jantar oficial no qual será anunciado o nome de seu companheiro. Quando surge numa tela o rosto de seu amigo mais querido, Xander - bonito, inteligente, atencioso, íntimo dela há tantos anos -, tudo parece bom demais para ser verdade.Quando a tela se apaga, volta a se acender por um instante, revelando um outro rosto, e se apaga de novo, o mundo de certezas absolutas que ela conhecia parece se desfazer debaixo de seus pés. Agora, Cassia vê a Sociedade com novos olhos e é tomada por um inédito desejo de escolher. Escolher entre Xander e o sensível Ky, entre a segurança e o risco, entre a perfeição e a paixão. Entre a ordem estabelecida e a promessa de um novo mundo.

A primeira coisa que eu pensei quando comecei a ler esse livro foi : Estou lendo delírio de novo? Apesar de no final de tudo a história das duas distopias terem se mostrado completamente diferentes, temos muitos elementos em comum. Claro que nesse livro as pessoas não são curadas do amor, nem privadas de sentir emoções fortes igual em Delírio (aleluia), mas temos um controle assustador e casamentos arranjados. Acho acho que encontrar elementos em comum (depois de ler tantos livros do gênero) é algo que vai acontecer sempre.
É estranho como nos agarramos a pedaços do passado enquanto aguardamos por nossos futuros.

A parte mais legal de resenhar uma distopia é contar a transformação na organização social do livro, nessa história somos levados para um mundo completamente controlado. As pessoas que escolhem se casar e ter filhos são pareadas com pessoas que combinam com elas, na altura, peso, personalidade e genética. Ou seja, pessoas que terão uma probabilidade de se dar muito bem e ter filhos muito saudáveis e estáveis emocionalmente. Dessa forma, prolongaram a expectativa de vida das pessoas e exterminaram doenças que antes matavam muitas delas. Também controlam a alimentação, a quantidade de nutrientes necessária para manter uma saúde impecável.
Será que se apaixonar pela história de uma pessoa é a mesma coisa que se apaixonar pela própria pessoa? 
Outra coisa marcante nessa sociedade é o fato de cada pessoa só precisar ter informações sobre o seu trabalho em especial. Se você é engenheiro, não precisa saber cozinhar. Um planta, outro colhe, outro cozinha o alimento e apesar de poder parecer algo bacana, de parecer uma facilitação na vida das pessoas... na verdade é também uma forma de controle: As pessoas não são capazes de sobreviver sozinhas, porque cada uma sabe fazer algo diferente, e tudo é essencial para a sobrevivência. Eles controlam até quando as pessoas vão morrer, todo mundo tem uma idade fixa para isso.

Todo mundo tinha tecnologia, tecnologia demais, e as consequências foram desastrosas. Agora nos temos a tenologia básica de que precisamos - terminais, leitores, escrevinhadores - e nosso consumo de informação é bem mais especifico. Especialistas em nutrição não precisam saber como programar trens aéreos, por exemplo, e programadores, por sua vez, não têm que saber preparar alimentos. Tal especizalização impede que as pessoas se sobrecarreguem. Não precisamos compreender tudo. E, como nos lembra a sociedade, existe uma diferença entre conhecimento e tecnologia. O conhecimento não nos falha. 

Apesar de todo esse controle por trás de cada coisa minima, Cassia acha que tudo é correto, é um mar de rosas e está com borboletas no estomago porque vai finalmente saber quem é seu par. Ela está indo para o Jantar de pareamento junto com seu amigo de infância, Xander, sua família e a dele. Acontece que os dois se entendem muito, se conhecem melhor do que ninguém e já dá para imaginar o que vai acontecer né? Completamente previsível o que vai acontecer, Cassia é pareada com Xander e ambos ficam muito felizes ( principalmente o pobre do Xander). Mas claro que a autora ia jogar um balde de água fria no relacionamento dos dois e por um motivo (que eu claramente não vou dizer qual é) a Cassia se vê envolvida com Ky, um garoto super quieto e reservado, e é claro que o Xander não gosta nada disso ( na verdade a principio nem eu gostei).
Não tenho que passar os próximos anos aprendendo tudo sobre ele porque eu já o conheço, quase tão bem quanto a mim mesma. 
Olhar para Ky com outros olhos é uma experiência completamente diferente para Cassia, ela o "conhece" a um bom tempo, ele sempre esteve ali com ela e com os amigos dela, porém ela nunca o olhou com outros olhos e quando realmente faz isso a situação foge completamente do controle. Acontece que na verdade Cassia não conhece Ky de verdade. Ela acha que conhece. Ky tem um segredo (...)
O que há de errado em ser durável? O que há de errado em ser algo, ou alguém, que dura? 
Claro que não foi algo do tipo " Ah, agora que estou pareada vou sair por aí analisando outras possibilidades e destruir o coração do Xander e minha segurança", não, claro que não. Foi algo que aconteceu e ela não conseguiu evitar ( porém, honestamente, seria possível).Porém os problemas vão muito além do triângulo Cassia, Ky e Xander. Tem algo importante acontecendo com a mãe da Cassia, tem algo grave acontecendo fora das áreas de controle. Nem todo mundo aceita ser dominado. Ser controlado. Não ter escolha. 


Queria que você me visse (...) - Ele quer ser visto por mim. 


Começo minha opinião sobre o livro dizendo que eu nunca marquei tanto quote em toda minha vida.  Quem pega meu livro deve pensar que foi a história que mais amei na minha vida, mas isso não é bem verdade. Não dá para negar que a cada página do livro encontramos uma frase bonita, que nos faça refletir sobre liberdade, amor e esperança, porém eu achei tudo muito rápido e, sobretudo, forçado.
Ky pode jogar este jogo. Pode jogar todos os jogos deles, inclusive o que está na sua frente e acaba de perder. Sabe exatamente como jogar, e por isso ele perde sempre.
Em um momento vemos uma Cassie apaixonada, feliz e com grandes expectativas para um futuro feliz ao lado do garoto que mais a entende no mundo e , de repente, por causa de um erro ( que vocês irão saber qual é se lerem) ela fica obcecada pelo Ky, pensa nele o tempo todo... se apaixona por ele. Talvez eu não entenda porque não sou uma pessoa intensa, não me apaixono fácil ( na verdade só me apaixono por personagens literários mesmo), mas eu realmente acho que tudo poderia ter ido mais devagar. Foi cruel com o Xander. Eu amo o Xander. Ver o Xander sofrer não foi legal. 
A hora  em que mais odeio os funcionários é quando fazem isso. Quando agem como se já tivessem visto tudo antes, como se tivessem me visto antes. Quando nunca me viram de fato. Viram só meus dados numa tela. 
Acontece que a vida foi muito cruel com o Ky também, os segredos que ele carrega são extremamente dolorosos e o pior de tudo : ele não pode mostrar a pessoa que realmente é para ninguém se quiser se manter vivo. Além disso ele é um fofo, ele conseguiu até fazer a Paula coração de pedra chorar. Acreditem isso não é fácil. O grande problema é que eu não sou muito fã de triângulos amorosos e minha grande tendência é torcer pelo casal errado, por isso sei que até o final do terceiro livro vou estar bastante deprimida.
Talvez seja porque agora eu viva na história dele. Agora sou parte dela, e ele, da minha, e a parte que escrevemos juntos às vezes parece ser a única que importa. 
Eu gostei bastante da narrativa. Eu li algumas resenhas dizendo que acharam o livro meio mal escrito, mas eu não concordo. Apesar de histórias contadas em primeira pessoa e sob apenas um ponto de vista não estarem me agradando ultimamente, eu não vi problema algum nessa. Acho que a autora desenvolveu tudo muito bem, desde os personagens até cada detalhe das cenas, e as frases lindas dão todo um clima especial a leitura.É uma ótima recomendação para quem gosta de distopia e não se importa com uma boa carga de romance.
Penso em como a melhor maneira de voar seja com as mãos cheias de terra, para que a gente nunca se esqueça de onde veio, e de como pode ser difícil caminhar, às vezes.



12 comentários:

  1. Adorei a história e tudo o mais \o

    ResponderExcluir
  2. Hum, que delícia marcar vários quotes! Amo fazer isso, rsrs... Já vi vários elogios sobre o livro e sobre a coleção, parece uma boa opção de leitura!

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Paula! Eu sempre vejo resenhas positivas, e muitas pessoas preferem esta série ao invés de Delírio. Não li esta aqui, mas Delírio eu amei, então talvez pela semelhança em algumas partes, esta não vá ser melhor para mim. Depois leio e te falo mais.
    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Oi, eu estou louca para ler a trilogia, só que eu estou sem dinheiro hehe. Nunca li Delírio, mais tenho curiosidade em ler
    livros-e-nutella.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Paula, amei a resenha. Estou com delírio aqui para ler, e algumas pessoa falam muito de semelhanças entre elas. Vou ler delírio e depois vejo essa trilogia.

    Beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Adorei o livro, a história é muito legal - é distopia, né? haha -, e achei a narrativa gostosa de ler.
    Ansiosa para a continuação, mas já li há tanto tempo esse que nem sei se lembro ainda da história. :/
    Beijos
    apenas-um-vicio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é distopia siim!!
      Meu gênero queridinho hahahahaa
      <3

      Excluir
  7. Acho as capas dessa trilogia lindas, mas não tenho muita certeza se vou ler. Ainda mais depois dessa sua resenha. Acho que vou esperar a do segundo.

    Abraço!
    http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Amiga, correndo o risco de você atirar na minha cabeça, eu vou falar: sou muito mais o Ky. E não senti problema na parte de "desapaixonar" rápido, porque ao meu ver ela não amava realmente o Xander, não nesse sentido. Ele era o porto seguro, então claro que ela ficou radiante ao sabe que ele seria seu companheiro, mas não senti um amor verdadeiro como com o Ky. E me apaixonei pelo personagem <3 eu achei o livro bem corrido também, e é uma leitura mais pro mediano, mas o pior é que eu não conseguia largar kkkk. Li em uma sentada só.

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, não foi bem desapaixonar rápido que me irritou foi mais o amor intenso pelo Ky do nada, não foi como se ela nunca tivesse o visto, ela sabia da existência dele a séculos... e ela nunca see importou! De repente já estava apaixonada? Rápido dms, não curti hahaha

      Xandinho <3

      Excluir
  9. Geente estou in love com esse livro *o* Que capa linda da Suma! Acho que uma das melhores da editora que já vi rs
    E que resenha super bem escrita e linda.
    Me interessei demais pelo livro, acho que vou pedir haha

    Beijinhos
    webteentwl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Eu tive que me forçar a terminar esse livro D=
    Como você disse, achei forçado e superficial demais! Ao mesmo tempo em que estava no ponto máximo do livro, eu achei sem ação nenhuma. Talvez seja porque eu fui com expectativas altíssimas achando que seria o melhor livro ever, e não foi nem um pouco assim.
    Beijos,
    Aline
    (http://loucamenteleitores.blogspot.com.br/)

    ResponderExcluir

Página Anterior Próxima Página Home